domingo, março 26, 2006

Além da fala...

Como se não bastesse a invenção do celular e em 1973 e a possibilidade de falar com qualquer pessoa a qualquer momento e de qualquer lugar, o serviço de telefonia móvel criou mais uma alternativa para esse tipo de comunicação. Através do envio de mensgens de texto as pessoas, quando impossibilitadas de atender uma ligação, poderão ler e não ouvir o que as pessoas tem para falar. Outro tipo de aparelho era utilizado por algumas pessoas para ser localizado ou informado sobre algum fato importante. O mobi. Esse aparelho pertmitia que as pessoas recebessem mensagens e ligando para uma central telefônica tivessem acesso aos recados deixados em seu número.

Essas evoluções foram surgindo após a privatização da telefonia móvel no Brasil, que até o ano de 1997 era um serviço estatal. Com isso as empresas que se instalaram no país foram, praticamente, obrigadas a investir alto no setor. A produção de aparelhos aumentou e o preço dos aparelhos diminui, tudo isso pela disputa de interesses por novos consumidores. O mercado da telefonia móvel se tornava um mercado cujos usuários se tornavam cada vez mais exigentes. Novos serviços eram procurados por eles de tal maneira que a empresa que possuísse um diferencial conquistaria, facilmente, esse usuário.

Só que esse mercado exigia algo mais. Um comportamento sobre o uso de aparelhos celulares surgiu dentro da sociedade de forma que as pessoas necessitavam se adequar a essas boas maneiras. Usar do bom senso para o uso adequado do aparelho é a saída para não passar por momentos de constragimento dentro de uma sala de cinema por exemplo. Com esse pensamento as mensagens se tornaram uma saída para a comunicação sem qualquer tipo de alarde. No caso de profissionais da saúde, como médicos e enfermeiros, que precisam estar atentos ao celular, este tipo de comunicação pode ser feito sem atrapalhar a diversão de ninguém. O SMS, como é conhecido, também é mais barato e o valor cobrado varia de operadora para operadora.

O celular deixou de ser somente um acessório de uso pessoal para se tornar uma ferramenta de trabalho. TV digital, câmeras fotográficas digitais, intenert etc, são algumas das evoluções que esse pequeno portátil se apropriou.

Um comentário:

Dani disse...

Tô terminando os textos, já vou postar e daí tu pode linkar!
Já entrei em exercício domiciliar, sem condições de ir na aula, tô um elefante! A gente se fala por e-mail e msn! Qualquer coisa me liga!
Kisses